COPAPA celebra 60 anos e lança o 1º Papel Higiênico Sustentável no Museu do Amanhã

0
64

Copapa (Companhia Paduana de Papéis), empresa do Rio de Janeiro, celebra em 2020 seus 60 anos de existência largando na frente dos líderes do segmento ao lançar no dia 29 de janeiro em um dos mais belos palcos do Rio de Janeiro – Museu do Amanhã, o Carinho Eco Green, o primeiro papel higiênico do Brasil sustentável em todas as etapas do seu ciclo de vida. Desenvolvido com base nos princípios da economia circular, com investimento em pesquisa de R$10.2 milhões e cerca de R$ 47 milhões em maquinário, esse é o primeiro produto do segmento tissue (fabricantes de papel higiênico, papel toalha e lenços de papel) a receber o rótulo ecológico ABNT AMBIENTAL, que certifica a sustentabilidade dos produtos nas fases de extração de recursos, fabricação, distribuição e descarte. Para o consumidor, as principais novidades do Carinho Eco Green estão na embalagem plástica e nos rolos, que são totalmente compostáveis: o plástico é feito de milho e o tubete com cola à base de fécula de mandioca, que viram adubo quando descartados junto a resíduos orgânicos em locais próprios para compostagem.

foto divulgação Copapa

A Copapa (Companhia Paduana de Papéis), empresa do Rio de Janeiro, celebra em 2020 seus 60 anos de existência largando na frente dos líderes do segmento ao lançar em um dos mais belos cartões postais do Rio de Janeiro – Museu do Amanhã, o Carinho Eco Green, o primeiro papel higiênico do Brasil sustentável em todas as etapas do seu ciclo de vida. Desenvolvido com base nos princípios da economia circular, com investimento em pesquisa de R$10.2 milhões e cerca de R$ 47 milhões em maquinário, esse é o primeiro produto do segmento tissue (fabricantes de papel higiênico, papel toalha e lenços de papel) a receber o rótulo ecológico ABNT AMBIENTAL, que certifica a sustentabilidade dos produtos nas fases de extração de recursos, fabricação, distribuição e descarte. Para o consumidor, as principais novidades do Carinho Eco Green estão na embalagem plástica e nos rolos, que são totalmente compostáveis: o plástico é feito de milho e o tubete com cola à base de fécula de mandioca, que viram adubo quando descartados junto a resíduos orgânicos em locais próprios para compostagem.

Com preço alinhado aos das marcas mais premium do mercado, o Carinho Eco Green será comercializado inicialmente no Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais e Espírito Santo, a partir de 29 de janeiro. A qualidade também é a mesma: o papel possui folha dupla, é suave ao toque e possui alto grau de absorção. O propósito da Copapa é atender aos anseios dos consumidores conscientes, que buscam alternativas de produtos mais sustentáveis. Segundo pesquisa de 2019 da Nielsen – empresa global de gestão de informação que proporciona uma visão completa sobre mercados e consumidores – esse público já representa 42% do mercado brasileiro.

“Sabemos que o modelo de produção industrial que nos trouxe até aqui está em colapso. Para continuarmos existindo e sendo relevantes para a sociedade, precisamos adotar práticas inovadoras e sustentáveis em todo o ciclo de vida do produto, desde a captação dos recursos naturais, passando pela produção, consumo e o pós-consumo. Há cerca 10 de anos tive acesso a um papel higiênico europeu que garantia a sustentabilidade em apenas uma dessas etapas. Desde então, trabalhamos incansavelmente para ir além e lançar um produto sustentável em todas as etapas. Assim, avançamos com Carinho Eco Green, um produto que respeita o meio ambiente do começo ao fim, em todas as etapas do seu ciclo de vida”, diz Fernando Pinheiro, diretor-presidente da Copapa.

Sustentável do início ao fim
“O Rótulo Ecológico ABNT é uma importante ferramenta que comunica aos consumidores que o produto certificado atendeu a diversos requisitos ambientais, sociais e de desempenho, garantindo à sociedade que irá causar um impacto menor, contribuindo para a sustentabilidade das futuras gerações”, afirma Guy Ladvocat, gerente de certificação de sistemas da ABNT.

Para obter a certificação, a Copapa comprovou resultados inéditos em cada uma das etapas. Na extração da matéria prima, a celulose selecionada para produzir o Carinho Eco Green é 100% virgem e certificada pela FSC® (Forest Stewardship Council), uma organização internacional independente, não governamental, sem fins lucrativos, criada para promover o manejo florestal responsável ao redor do mundo. O selo FSC® garante que o papel é proveniente de matéria-prima extraída de maneira responsável, em conformidade com as leis ambientais internacionais, sem desmatamento de matas virgens, com respeito ao ecossistema e garantia da preservação da floresta para as futuras gerações.

A Copapa completa 60 anos e se preocupa com os próximos 60. A produção do Carinho Eco Green é feita com produtos químicos de baixo impacto ambiental. Não leva alvejantes adicionais em sua composição, ao contrário do que a maioria das marcas do segmento fazem para deixar o papel ainda mais branco. A Copapa pratica reuso de água no processo produtivo, e emite cerca de 25% menos de toneladas de carbono equivalente em seu processo de fabricação, em comparação à fabricação de um produto de qualidade similar. Além disso, todo carbono emitido na fabricação é neutralizado com plantio de árvores, realizado em parceria com a ONG SOS Mata Atlântica. A marca é certificada pelo selo PRIMA neutro em carbono. Na distribuição, a Copapa também neutraliza toda emissão de carbono da logística com plantio de árvores, em parceria com a ONG SOS Mata Atlântica. Além disso, tem a meta de substituir combustível fóssil por energia renovável na distribuição. No prazo de três anos, além de adotar empilhadeiras elétricas em seus processos, a companhia substituirá a frota atual para transporte rodoviário por veículos híbridos ou 100% elétricos.

No descarte, o Carinho Eco Green inova ao embalar o produto com plástico feito com polímero compostável, feito à base de milho. Se descartado com resíduos orgânicos em plantas de compostagem, em até 180 dias o material vira adubo. O tubete do rolo é feito de fécula de mandioca, com cola à base de água e sem utilização de químicos que poluem, por isso também pode ser compostado. Já o plástico que embala os fardos que chegam aos pontos de venda são feitos com matéria prima renovável (cana-de- açúcar) e são destinados à reciclagem por meio de logística reversa. Para garantir a reciclagem do mesmo volume de plástico que utilizou, se necessário, a empresa destina o equivalente à Cooperativa de Catadores de Santo Antônio de Pádua. A Copapa também participa do programa de logística reversa em parceria com o programa de geração de renda “Dê a mão para o futuro”, da ABIHPEC – Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos.

Sobre a Copapa

A Copapa (Companhia Paduana de Papéis), localizada em Santo Antônio de Pádua (RJ), foi criada em 1960 e se tornou a maior produtora de papel para fins sanitários do Rio de Janeiro, com capacidade instalada de aproximadamente 58 mil toneladas/ano. Ao longo da última década, a empresa vem investindo no fortalecimento de sua governança, na modernização de processos e na promoção de uma gestão comprometida com o crescimento dos negócios, com responsabilidade socioambiental. A Copapa opera de forma rigorosa em relação às legislações ambientais e tem como propósito criar soluções sustentáveis no presente para assegurar o futuro, adotando práticas inovadoras ao longo de todo o ciclo de vida dos produtos.

Fotos: Canal Varejo Rio = Jayme Ribeiro, Mariana Vieira e Luana Fernandes

DEIXE UMA RESPOSTA

Por Favor Digite Seu Comentário!
Por Favor, Digite Seu Nome Aqui